terça-feira, 31 de maio de 2011

A Rotina

Depois de algum tempo
Ambos ainda querem a mesma coisa
Mas a rotina... Um não pode mais oferecer ao outro

Surge a curiosidade!

Se aventuram, procuram e encontram
Um abraço já é suficiente
Um carinho...
Se for um beijo então...

Mas depois... Eles têm o que merecem!
E já é tarde demais

Eles se perderam...

(Diego V. Natividade)

Prosa da Paixão

Porque no começo é tudo diferente...
O desejo de não parar sacia a obrigação de ir embora
Deixando-os completamente dependentes
Dependência que parece uma droga, altamente alucinógena e viciante

O não poder se entrega ao querer de forma que ambos se transformam numa aventura louca e extravagante
E isso vai ficando cada vez mais intenso

Mas seus muros são altos como montanhas
Seria preciso derrubá-los pra conseguir um pouco mais

O desejo os faz aumentar a dose
E agora só um pouco não é mais suficiente
Eles querem mais...
O consumo é tão continuo que não há tempo pra ressaca moral

Mas seus muros são fortes como concreto, e há espinhos no caminho
Mas eles lutam
E vencem
E o tempo passa...

O tempo passa e a vontade acaba
Eles desistem e nem olham pra traz para ver o que fizeram
O que ficou de pé agora é derrubado
E o que era uma muralha não passa de um monte de entulho

Eles se arrependem
Não serviu de nada!

E eles, sozinhos, recomeçam...

(Diego V. Natividade)

segunda-feira, 30 de maio de 2011

O Pedaço

E deste pedaço da gente, que se regenera
Vai crescendo e acha que é gente
Com os olhos grudados o criador o observa
Cada passo, cada gesto, cada tombo, cada progresso

O dia é pequeno pra tanta arte
A noite é longa pra tanta energia
O sono é só um detalhe, mas que quando bate... Contagia!

Para um lado, para outro
Girando numa órbita sem sentido
Se acalma, repousa e dorme
Mas o sentinela o vigia

E se repete todo dia
Numa constante e consoante rotina
Mas o tempo passa...

O tempo passa e este pedaço já é um todo
Passa de criatura a criador
Dele se desprende um novo pedaço
Que continua este maravilhoso ciclo de amor

(Diego V. Natividade)

domingo, 22 de maio de 2011

Professores do Brasil

O dia que pagarem pra um deputado o salário de um professor, e pra um professor o salário de um deputado, teremos ladrões educando crianças e heróis governando o pais.
Sem querer generalizar (por que temos, é claro, muitas exceções), gostaria de iniciar assim o meu post, com base no discurso da professora Amanda Gurgel [1].

Diz-se muito em “investindo em educação”. Onde? Quando isso começou? O que é pra vocês investir em educação? Investir em educação começa valorizando o profissional da educação, vulgo, O Professor.

Foi-se os tempos em que os professores eram tidos como mestres e o respeito a estes profissionais era fora do comum. Hoje ser professor é simplesmente aceitar as condições e salários estabelecidos por aqueles que ganham o salário de 30 professores, segundo Amanda na entrevista exibida no programa do Faustão dia 22/05/2011.

Nem a merenda, que são dos alunos, eles podem “filar”. Agora pense na seguinte situação:
Como é de costume, um policial em trabalho entra num restaurante, escolhe o que quer, sacia sua fome, diz um obrigado ao operador do caixa e sai sem pagar, como acontece na maioria dos estabelecimentos (e eu não vejo mal algum nisso). Agora, imagine um professor (que também é um funcionário público assim com um policial) entrando neste mesmo restaurante, saciando sua fome e saindo apressado, por que tem que dar mais uma aula, passa no caixa e diz também um obrigado. O que acontece com ele? Eles chamam a polícia para o professor. E o mais engraçado, aquele mesmo policial que acabara de sair dali (agora saciado) é acionado e enquadra o professor... Isso sem falar no transporte!
Pra finalizar, eu não estou falando pra deixar de lado a segurança e priorizar a educação, estou querendo dizer que os três pilares para um país melhor são: segurança, saúde e educação!


[1] FONTE: http://www.youtube.com/watch?v=yFkt0O7lceA



Por hora é só. Até a próxima, e nunca parem de pensar!

sábado, 21 de maio de 2011

As incríveis peripécias da Prefeitura Municipal de Lavras/MG

Arraial dos Campos de Sant'Ana das Lavras do Funil, hoje, Lavras, é uma cidade situada no sul de Minas Gerais. É conhecida por suas faculdades e universidades, em destaque a UFLA (Universidade Federal de Lavras).

Você já viu alguma vez uma faixa de pedestres pintada em cima de um quebra-molas? Só em lavras mesmo. Nas fotos abaixo você pode ver mais essa façanha da Prefeitura Municipal de Lavras, que decidiu criar o "quebra-faixas" (não sei se isso já foi feito em outro lugar, pelo menos eu nunca vi ;).
 Figura 1 – Foto tirada por O Filosofo


Figura 2 – Foto tirada por O Filosofo


Nestas fotos, que foram tiradas por mim dia 19/05/2011 por volta de 08:30 da manhã, as lombadas já tinham sido pintadas de vermelho. Porque até o dia 18 não. O motorista tinha que adivinhar que ali em cima tinha uma faixa.

Vocês acham certo isso?

Por hora é só. Até a próxima, e nunca parem de pensar!

quinta-feira, 19 de maio de 2011

A tradução da verdade

Desde que o homem se tornou pensante (ou foi criado, para os criacionistas), ele começou a questionar a si e ao mundo onde vive. Destas questões, as mais complexas são aquelas relacionadas a situações não vividas ou experimentadas anteriormente, como: de onde viemos e pra onde vamos?

Com base na pseudociência da época, respostas as essas perguntas eram impossíveis de ser respondidas (assim como hoje também são!). Aqueles homens bárbaros não podiam ficar sem respostas, seus “sábios”, portanto, criavam estórias, lendas e mitos pra explicar o inexplicável.

Essas explicações foram passadas por gerações no boca a boca e, assim como num “telefone sem fio”, algumas informações foram perdidas, outras alteradas e até mesmo acrescentadas. Até que alguém resolveu documentar e escrever essas informações em pedras e posteriormente em folhas.

Muito tempo se passa e revolucionários acreditam ser aqueles manuscritos, a revelação da verdade e resolvem levar aquele conhecimento ao seu povo. Eles fazem um cursinho rápido de “Aprenda hebraico e grego antigo em 6 meses” e traduzem pra línguas da época, textos escritos a séculos e séculos. Textos estes, que uma única palavra pode significar várias coisas e, sem observar o contexto, o primeiro significado que encontravam, era a tradução!

Porém, mais pessoas precisavam conhecer estas escrituras. Como não havia máquina de Xerox, monges copistas se encarregavam de reproduzir aquelas escrituras (agora já mal traduzidas). E como era de se esperar, erros eram cometidos, muitas vezes intencionalmente para agradar a reis da época.

Mais tarde, traduções de traduções foram feitas para as mais diversas línguas contemporâneas. E com o surgimento da imprensa, tornou-se mais fácil a realização das cópias.


Estranho que em pleno século XXI, traduções mal feitas [1] de metáforas escritas milênios atrás são levadas ao pé da letra e seguidas como a verdade absoluta.

E isso é só a história das escrituras referentes ao judaísmo (cristianismo e islamismo). Sem contar as escrituras relacionadas às mitologias: grega, egípcia, hindu, asteca, inca, maia.....
Bom, pra finalizar, gostaria de deixar aqui um texto de um autor desconhecido, que resume o texto lido acima (se alguém souber o autor deste texto, por favor, comente aqui para que eu possa dar os devidos créditos):

“Há milhares de anos, as lendas, mentiras, besteiras, mitos e costumes primitivos de uma pequena tribo de nômades semi-selvagens foram reunidos e escritos em pergaminhos. Ao longo dos séculos estes textos foram modificados, mutilados, truncados, floreados e divididos em pequenos pedaços que foram então embaralhados várias vezes. Em seguida, este material foi mal traduzido para várias línguas e vários povos o adotaram como a expressão da verdade, a palavra de Deus definitiva e irretocável.”

Por hora é só. Até a próxima e nunca parem de pensar!


[1] Simplesmente “traduzir” um texto é muito difícil e muitas vezes, para algum determinado idioma, impossível por não conseguir uma tradução direta. Tente, por exemplo, traduzir do inglês para o português (BR): I wish to be a cop. Você consegue uma versão para esta frase e não uma tradução. Agora, imagine traduzir essa mesma frase daqui a uns 800 anos!

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Bin Laden is dead!

Eu não poderia ficar atrás e tinha que dar minha contribuição sobre o assunto do dia (e que vai durar muitos dias), a morte de Osama Bin Laden.

Bom, só queria deixar uma perguntinha no ar:
Será que realmente mataram Osama Bin Laden? (Dizem até que Elvis e Michael Jackson estão vivos)

Não poderia ser outra pessoa? Ou um sósia? Ou ninguém? Porque ninguém viu o corpo (posso estar enganado). Uma TV paquistanesa disse que aquela imagem de seu rosto machucado, que foi divulgada na Internet, é falsa [1].
Disseram também que seu corpo foi jogado no mar (como disse o G1: “Bin Laden foi enterrado no mar” [2] – enterrado no mar???). Será mesmo? Quem viu isso?

Mas o DNA confirmou! DNA? Então ta.

Não poderia ser um jogo político? Até o dólar subiu com essa notícia: “Bolsas sobem e petróleo tem queda após notícia de morte de Bin Laden” [3].

E pra embananar mais ainda essa “estória”, há boatos que Osama estaria morto desde 16 de dezembro de 2001, por Hepatite C [4] (é mole?!).

Mas se for realmente verdade e o FBI and CIA o encontraram e mataram, os USA podem se preparar, porque a rainha está morta, mas o enxame continua vivo na colméia.


Por hora é só. Até a próxima, e nunca parem de pensar!