segunda-feira, 27 de junho de 2011

Investidor Expansor

No século XVI, Martinho Lutero iniciou uma revolta contra a Igreja Católica, pois discordava de alguns princípios impostos pela mesma. Um dos principais era o pagamento de indulgências.
Indulgências eram taxas que “pecadores” (ricos) pagavam a Igreja Católica com o intuito de redimir seus pecados. Após o pagamento, o Papa enviava ao comprador uma carta (carta de indulgência) assinada, liberando-o de alguns de seus pecados. Ou seja, literalmente a compra da salvação.

Com a revolta de Lutero apareceram as primeiras Igrejas Evangélicas.
O intuito dessas igrejas era até bom (em vista dos princípios católicos medievais). Mas hoje a coisa mudou de figura, pois as igrejas evangélicas, que sempre condenaram tal prática, vendem em seus templos uma porção de bugigangas e bijuterias santas, entre elas: luvas da prosperidade, ervas do casamento feliz, buchas para banho de descarrego entre outros (estes eu não citei fonte, pois eu mesmo já ouvi!). Temos hoje também, formas mais modernas como os coitados dos patrocinadores do “Show da Fé” [1], os ofertantes do “trizimo” da casa própria [2] e um que me chamou a atenção assistindo um programa da Band sábado de manhã (18/06/2011), o Investidor Expansor, onde o trabalhador faz uma oferta (via cartão de crédito!) e se não me engano, ganha descontos exclusivos em produtos [3].

Bom. O que temos hoje é na verdade a venda de indulgências nas igrejas evangélicas, eles só não tem a cara de pau de dizer que vendem salvação, mas vendem prosperidade e amor (se bem que dizem que algumas igrejas que vendem terrenos no céu ;).


Por hora é isso. Nunca parem de pensar!


FONTE:

Antítese

Analgésico, antitérmico, antiácido
Anti-mofo, antibiótico, anticoncepcional
Antivírus, antioxidante, anticorpos, anti-tudo-que-é-mal!

Anticonstitucional, antialérgico, anti-séptico, antiquado
Anticristo, ante-quedas, antílope, anticonvulsivo
Antidepressivo...

Anti-coração-partido...

(Diego V. Natividade)

Mais um dia

Computadores, cervejas, whiskies
Quarto empoeirado
Zicas ao chão

Entre um cliente e outro
Conversas ao celular
Pressão a todo momento

Switches, cabos, roteadores
Chave Philips e o baú da moto
Amanhã vence o imposto
Terça-feira tem inglês

James não aguenta mais
Ele vai surtar!

(Diego V. Natividade)

Onde está você?

Se eu tivesse você aqui agora, nossos desejos se saciariam
A dor seria só um detalhe...

A cor vermelha daquela luz não me sai da cabeça
Procuro mas não consigo te encontrar
Mas quando te encontro, falas uma língua que tento aprender
Onde você está agora?

Na periferia daquela rodovia ainda estão meus pensamentos
No passar dos caminhões, no cheiro de combustível daquele posto
Nas cargas descarregadas naquele pátio...
Onde está você agora?

Sua fragrância não sai da minha mente
Aqueles cachecóis de lã e o sabor da sua pele não me deixam em paz

Não tenhas medo, pois não tenho o poder de te prender
Mas não quero te perder de novo
Sabes onde me encontrar
Estarei no mesmo lugar
No pátio, na noite fria e no rock n’ roll

(Diego V. Natividade)

sábado, 25 de junho de 2011

Lágrimas e Versos

A solidão é minha melhor companheira
No escuro ainda ouço o som de sua voz que ecoa em minha mente
Lagrimas e versos saem de mim

Lembranças vêm à tona
Amor e ódio
Dor...

O sentimento de culpa por não ter conseguido
A dor por não ter sido firme
Não ter dado o melhor de mim

E a decepção por ter aceitado tudo do seu jeito
E no final...
Não valer a pena

(Diego V. Natividade)

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Quinta-feira

Naquele balcão, James observa atentamente
Muitas histórias, prosas, causos
Pessoas se levantando
Gente indo embora
O velho bebendo Whisky
A morena tomando Ice

Caldos, porções, polentas e uma garrafa de Ballantines
- Cigarro não pode minha jovem!
E James só observa...

Depois de algum tempo
Preocupado
Vai embora
Amanhã tem que trabalhar...

(Diego V. Natividade)

quinta-feira, 23 de junho de 2011

NP-completo

Confuso
Talvez a explicação esteja bem ali
Ou talvez nem tenha explicação...

Busco e não encontro
A solução foge de mim
Qual será a fórmula pra esta equação?

A matemática não consegue provar suas teorias
Movimentos caóticos e atos descontrolados
Qual será o algoritmo que resolve este problema?

Base octal, hexadecimal
Números primos, matriz multidimensional...
Se você me explicasse seria tão fácil...

Ou talvez não tenha mesmo solução!
Sem paradigmas
Um paradoxo...

(Diego V. Natividade )

terça-feira, 21 de junho de 2011

Herói Brasileiro

Certa vez, o ex-presidente Fernando Henrique, após estipular o novo valor do salário mínimo, resolveu sair as compras para mostrar que 180 reais (se não me engano era esse o valor do salário), era suficiente para fazer uma boa compra!
Que bom né. Mas o brasileiro não precisa pagar gás, água, luz, muitas vezes aluguel e transporte público. Não precisa comprar roupas, sapatos ou sequer se divertir um pouco.

Outra vez assisti num programa de TV, uma discussão entre algumas pessoas e um deputado. Uma mulher levantou o tema salário, dizendo que o salário de deputado é muito alto. E o deputado respondeu dizendo: “O povo diz que deputado ganha muito, deputado não ganha muito...”. Antes que este terminasse de falar a mulher disse algo mais ou menos assim: ”Não ganha muito? Quem não ganha muito é o trabalhador brasileiro que trabalha 8 horas por dia pra ganhar um salário de 600 reais”.

Tem também um programa de TV que passa todo ano durante alguns meses, e o apresentador deste programa costuma chamar seus “astros participantes” de heróis. Você deve saber do que eu estou falando né?! E te digo: Herói “é o trabalhador brasileiro, que trabalha 8 horas por dia pra ganhar um salário de 600 reais”.
Heróis são esses que quando chegam em casa a noite após um dia cansativo de trabalho, trabalham de graça pra emissoras de TV assistindo suas famigeradas propagandas comerciais e as pagam com sua audiência.
E completo dizendo:

- Heróis são os trabalhadores que têm que se virar com 600 reais por mês, enquanto simplesmente aceita o fato de que seus governantes, que ganham altíssimos salários, roubem dos cofres públicos, o que ele (o trabalhador) ralou para pagar;
- Heróis são os professores que são incumbidos de alfabetizar o Brasil, enfrentando as péssimas infraestruturas das escolas públicas e desrespeito dos alunos, incentivados pelos seus “excelentes salários”;
- Heróis são os enfermos que esperam meses em filas de hospitais públicos esperando para serem atendidos;
- Heróis são policiais, que se empenham em prender toda noite os mesmos ladrõezinhos que roubam para comprar droga, pois no dia seguinte o juiz os solta e eles voltam a roubar;
Heróis são os trabalhadores brasileiros, que só este ano, trabalharam até dia 29 de maio somente para pagar impostos [1].

Por hora é isso. Nunca parem de pensar!

FONTES:

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Clock

Por que falo com esses elementos?
São placas de fibra de vidro e resina contendo trilhas e ilhas de cobre
Diversos componentes juntos, interligados, funcionando a 3, 5 e 12 volts!

Um fio, uma bobina, um ferrite
Eletrólito, silício, carvão e cobre os compõe

Uma caixa de metal os protege
Uma ou duas hélices os refrescam
E no final das contas tudo funciona no pulsar do clock

Em cada pulso, instruções e dados percorrem seus barramentos
Informações são acessadas a todo o momento

A cada tecla pressionada
A cada música escutada
A cada imagem visualizada...

E não é que funciona mesmo...

Mas eles são frios
São burros
Não falam comigo

Mas eu falo com eles
Programo suas tarefas
E eles me devolvem algo até, digamos... Útil!

Por mais que eu tente ensiná-los a sentir
Não conseguem...
Porque eles são máquinas, não são como você

Você me vê
Você me sente
Você me toca

Mesmo assim, não sei por que insisto em gostar deles...

(Diego V. Natividade)

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Sentindo-se só

Você não me faz bem
Suas idéias não são meus ideais
Sua imaginação é mais fértil que Terra Preta
E em seus pensamentos há lacunas que não se pode completar

Suas peças são como um quebra-cabeça chinês
Sua consciência, inconstante e inconsistente, não condiz com a contemporânea realidade
Suas palavras soam como hebraico arcaico

Arcando eu com a solidão de sua companhia
Escrevo...

(Diego V. Natividade)

sábado, 11 de junho de 2011

Versos Quânticos

Meros quadridimensionais vibrando neste espaço-tempo cósmico
Mas onde estão às outras sete? Não consigo compreender...

Seu rosto é como um prisma, que reflete uma mistura de fótons coloridos com diferentes comprimentos de ondas...

Com você posso dobrar o espaço-tempo e criar túneis que me levam a qualquer lugar
Passagens multidimensionais e buracos negros se criam a todo o momento

Em busca da simetria só encontro o caos
Mas você não para: ora onda, ora partícula
A gravidade é tão mais fraca que seu eletromagnetismo, que não consigo me segurar

Mas como cordas, você continua vibrando... Vibra numa freqüência tão alta que não consigo mais alcançar

O que me conforta é saber que mesmo distantes, permanecemos unidos
Emaranhados nessa grande teia

(Diego V. Natividade)

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Um Deus pra adorar

Há relatos de que desde a pré-história o homem fazia cerimônias e culto a seus deuses. Seja ao sol, a Lua, a mulher (como símbolo da fertilidade por dar a luz e conservar a espécie), ou quaisquer outros elementos da natureza. Os seres humanos nasceram com o “dom” de obedecerem e serem conduzidos por líderes (a capacidade de liderança são para poucos!), seja em seus trabalhos por seus encarregados, na sociedade por seus governantes ou nas igrejas por seus lideres espirituais (mas isso é importante, porque senão viveríamos numa anarquia).

O medo do desconhecido os faz acreditar que acima deles, há deuses que os conduzem ao caminho certo. Vendo que na vida encontram-se muitos desafios, melhor que tenha alguém acima para protegê-los das adversidades!

Não julgo ruim esta prática, pois com isso, estabeleceram-se hierarquias, ordens e definição do que é “certo ou errado”. Mas neste “certo ou errado”, grupos torceram o nariz e se dividiram, pois o que era certo pra uns, era considerado errado para outros e vice-versa.

Começa aí um dos grandes problemas atuais, que ocasiona muitas vezes confrontos e até mesmo guerras: As Religiões!

Não sou contra as religiões, pois estas são um mal necessário. Acho que as religiões de hoje, são ainda muito primitivas, elas têm muito que evoluir. Enquanto seus lideres pregarem que só a sua religião é a certa ou somente a sua leva ao paraíso (nem vou discutir sobre céu e inferno, pois vou deixar para outro post ;-), continuaremos convivendo com guerras entre nações, conflitos banais e o mais importante: uma visão limitada do universo. Digo isso por experiência, pois muitas vezes, as religiões impedem que seus fiéis questionem e busque informações fora “dali”. O desconhecido? Este pertence a Deus (ou aos deuses)!

Mas com medo de ser punido por seus deuses, o homem se limita ao que lhes é ensinado e não questiona.

Acho que no dia em que as religiões evoluírem e entrarem em harmonia, aí sim poderemos dizer como Cazuza: “Ideologia, eu quero uma pra viver”! [1]

Por hora é só. Até a próxima e nunca parem de pensar!

[1] Trecho da música Ideologia de Cazuza e Frejat.