sábado, 11 de junho de 2011

Versos Quânticos

Meros quadridimensionais vibrando neste espaço-tempo cósmico
Mas onde estão às outras sete? Não consigo compreender...

Seu rosto é como um prisma, que reflete uma mistura de fótons coloridos com diferentes comprimentos de ondas...

Com você posso dobrar o espaço-tempo e criar túneis que me levam a qualquer lugar
Passagens multidimensionais e buracos negros se criam a todo o momento

Em busca da simetria só encontro o caos
Mas você não para: ora onda, ora partícula
A gravidade é tão mais fraca que seu eletromagnetismo, que não consigo me segurar

Mas como cordas, você continua vibrando... Vibra numa freqüência tão alta que não consigo mais alcançar

O que me conforta é saber que mesmo distantes, permanecemos unidos
Emaranhados nessa grande teia

(Diego V. Natividade)

Nenhum comentário:

Postar um comentário