sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Boteco

Cerveja quente
Mente vazia
Corpo cansado
Boteco fechado

Nem raiou o dia
Ele já espera plantado
E ajuda a senhor a abrir o bar intransitado

Ele pede um conhaque
Ele pede um cigarro
E pede o isqueiro
E perde a cabeça

Não vai almoçar
Diz que perdeu o apetite
Vai ficar direto

Perdido sem poder voltar atrás
Pede a saidera
E depois de mais cinco
Ainda pede o paiero

Já puxando a paia
Com um copo na mão ele caminha pra casa
Sem hoje, não poder fazer mais nada

Cerveja quente
Mente vazia...

(Diego V. Natividade)

Um comentário: